"Oi, amor. Surpresa! Sei que isso deve parecer um pouco mórbido, mas detesto pensar que não estarei aí para ver você pirar por ter feito 30 anos. Quero morrer por não estar aí. Engraçado! Está bem. Não, não é. Vai ficar impressionada. Tenho um plano. Dá pra acreditar? Escrevi cartas pra você. Cartas que chegarão de tudo que é jeito. Pensei em esperar até seu aniversário, pois achei que não ia sair de casa por um tempo. A carta número um vai chegar amanhã. Você tem que fazer o que eu disser, certo? Certo? E não tente descobrir como as cartas chegam. É um plano inteligente e iria estragá-lo. Coopere comigo nessa. Porque a questão é que eu ainda não posso dizer adeus. Então para começar quero que você se arrume e saia para comemorar esta noite. Saia com suas amigas libero você de uma festa em família, sobretudo sua mãe. Puxa, sua mãe está aí, não está? Merda. Desculpe Patricia. Não é que eu não goste de você. Mas ela precisa fazer umas loucuras. Coma uma fatia de bolo, ponha seu vestido de festa e saia do apartamento. Denise planeje algo. Deixe-me com o John, está bem? Saiba que onde quer que eu esteja, estou com saudades. Feliz aniversário."
P.S: Eu te amo.   (via florejaste)

nevou:

eu quero um beijo.

um beijo imenso, onde eu possa me afogar.

"Advogados, médicos, bombeiros mecânicos, eles é que ficavam com a grana toda. Escritores? Os escritores morriam de fome. Os escritores se suicidavam. Os escritores enlouqueciam."
Charles Bukowski  (via florejaste)

nevou:

Mesmo que você soubesse que a loucura cataliza a dor, que as obsessões mastigam os pensamentos, e que a dolorida forma de ver o mundo castiga o corpo, você não teria a capacidade de largar a dor que fatiga seu coração.